Churchill’s: 60 segundos com Ricardo Pinto Nunes

Ricardo Pinto Nunes

Como nasceu e o que caracteriza os vinhos Churchill’s?

A Churchill’s nasceu em 1981 da vontade do Johnny Graham, com a sua esposa Caroline e os seus irmãos Anthony e William, de criar o seu estilo próprio de vinho do Porto, combinando muitas das suas memórias familiares com a experiência profissional adquirida enquanto Master Blender em algumas das tradicionais casas de vinho do Porto britânicas.

É a combinação de um perfil de fruta e intensidade, em conjunto com um lado mais disciplinado, estruturado e seco que estão na base dos vinhos do Porto da Churchill’s.

Em 1999, com a aquisição da Quinta da Gricha, as uvas de excecional qualidade ali produzidas passaram a ser o componente principal dos nossos Vintages e restantes vinhos do Porto, dando origem também à criação dos nossos vinhos DOC Douro, que foram uma aposta ganha no início dos anos 2000. O trabalho constante de manutenção e renovação das vinhas permitiu-nos aumentar a sua área para os 40 ha atuais, sendo que, hoje em dia, a Gricha deixa a sua “impressão digital” em todos os vinhos da Churchill’s.

O que torna a região e a quinta de onde são originários especiais?

O Douro é, sem dúvida, uma região muito especial pelas suas características únicas. A combinação dos diferentes tipos de solo, de exposição, de altitude, juntamente com o privilégio de podermos usufruir de um património inestimável, como são as vinhas velhas, permite-nos criar vinhos de identidade bem definida, com uma personalidade muito própria e que refletem o carácter de uma região extrema como o Douro.

A Quinta da Gricha situa-se no coração da sub-região do Cima Corgo, em Ervedosa do Douro. É uma propriedade histórica, datada de 1820, localizada na margem sul, junto ao rio. Virada a norte e com altitudes entre os 160-440 metros, tem cerca de 40 ha de vinhas ‘letra A’. A Gricha é a base dos vinhos da Churchill’s, Porto e Douro, pelo caráter e pelo perfil singular que confere aos nossos lotes. A sua exposição a norte permite criar vinhos com excelente acidez natural, finos e com excelente capacidade de envelhecimento.

Quais as castas utilizadas / predominantes e que características conferem aos vinhos?

A base principal dos nossos vinhos do Porto e do Douro são as vinhas velhas. Acreditamos que, pela pouca produção que têm, pela combinação de múltiplas castas numa parcela só, oferecem aos vinhos uma complexidade e uma estrutura superiores.

A par delas, a Touriga Nacional pelo seu caráter especiado e floral e a Touriga Franca pela intensidade e estrutura, são componentes importantes dos nossos lotes. Nos brancos, a base é o Rabigato, pelo seu perfil mais elegante, mineral e delicado, juntamente com o volume de boca que o Viosinho confere, e a frescura e o lado mais vibrante do Arinto.

O que distingue os vinhos Churchill’s de outros da mesma região?

A nossa filosofia passa por produzir vinhos com a menor intervenção possível, para que se possam expressar também de uma forma mais natural. Vinhos que se mostrem intensos e vibrantes, com frescura e carácter.

Todos os nossos vinhos do Porto são produzidos a partir de vinhas ‘letra A’ e fermentam nos lagares tradicionais de granito da Quinta da Gricha. Acreditamos que, mesmo sendo uma forma de trabalhar mais tradicional e cada vez mais difícil de manter, é o melhor processo para uma mais gentil extração na obtenção de vinhos de potencial Vintage. A fermentação é natural e espontânea, em virtude da atividade das leveduras indígenas, com uma equipa de 8 a 10 pessoas a fazerem a pisa a pé durante toda a duração da fermentação.

Que vinhos se destacam da gama e porquê?

Não posso deixar de destacar os vinhos do porto Vintage. Quando Johnny Graham fundou a Churchill’s em 1982 foi com a intenção de produzir um vinho do porto Vintage num estilo unicamente seu. O uso de leveduras indígenas, assim como tempos de fermentação mais prolongados, permitem-nos criar um estilo de vinho do porto Vintage mais natural, seco e estruturado.

Também um dos nossos mais recentes lançamentos dos vinhos de terroir, o Quinta da Gricha Talhão 8, criado a partir de uma pequena parcela de Touriga Nacional da quinta. É um vinho expressivo, fino, delicado, que beneficia do terroir único da Quinta, com o seu lado fresco, especiado e floral, fruto da exposição a norte. É um vinho sedutor e complexo que vai certamente envelhecer muito bem em garrafa.

A que tipo de consumidor se destinam? 

O nosso consumidor é ao mesmo tempo um conhecedor e wine lover, como alguém que apenas está a começar. É isto que sentimos com as pessoas que nos visitam nas nossas Caves em Vila Nova de Gaia, e que vêm para desfrutar do vinho do Porto de novas e diferentes formas todos os dias.

Se tivesse de descrever os vinhos em três palavras, quais seriam?

Frescura, pureza, caráter.

Vão existir outras referências no futuro?

Em 2021 a Churchill’s celebra 40 anos, estando nos planos o lançamento de uma edição especial de um Tawny de idade. A nossa gama de vinhos do Porto é limitada, porque apenas produzimos os estilos em que o Johnny acredita, por isso o lançamento de um novo Tawny será um momento especial. Vamos também lançar um novo vinho na gama Churchill’s Estates, experimentando com as castas únicas que o vale do Douro tem para oferecer.


Sim! Quero receber as novidades e promoções do Adegga.