Barca-Velha 2011: o ícone do Douro chega ao mercado

Barca Velha 2011

Após o raro episódio de adiamento inicial da disponibilização para o mercado do novo Barca-Velha 2011, a Sogrape anuncia agora que o ícone do vinho português da Casa Ferreirinha chega finalmente ao mercado em abril.

O que levou ao adiamento da disponibilização do Barca-Velha 2011?

Em outubro de 2020, foi detectado um problema com a extração das rolhas das garrafas de Barca-Velha. Após uma “necessária reflexão interna”, e por “decisão da equipa técnica da Sogrape seguindo as boas práticas enológicas”, a empresa decidiu adiar o lançamento e avançar com o re-arrolhamento de toda a produção de 0,75cl, preservando desta forma a longevidade do vinho e protegendo a longo prazo a sua qualidade e notoriedade.

“Entre todos os Barca-Velha, e por todos os episódios que o seu lançamento encerra, 2011 é o maior símbolo de uma busca apaixonada pela perfeição”Presidente da empresa, Fernando Cunha Guedes

Dez anos depois de uma vindima excecional na região do Douro, Barca-Velha 2011 apresenta-se na linha de exceção dos seus antecessores.

“O vinho é que manda! Depois do rearrolhamento efetuado em setembro, o vinho tem demonstrado uma excelente evolução, estando já a revelar em pleno o seu bouquet. Um vinho cheio de garra, com enorme maturidade, que reflete na perfeição o terroir do Douro Superior”Luís Sottomayor, enólogo e responsável máximo pelo Barca-Velha

O comentário do enólogo surge no final da prova efetuada há dias, que libertou o Barca- Velha 2011 para o mercado, trazendo aos seus fãs boas notícias: o 2011 está aí, para dar continuidade ao sonho de Fernando Nicolau de Almeida, que em 1952 decidiu criar um vinho tinto do Douro assente na mesma filosofia de qualidade e de guarda dos Portos Vintage!

“Vinte colheitas depois, temos uma edição que faz jus à sua história, numa homenagem à arte de saber esperar para descobrir.” acrescenta a empresa em comunicado.

Luis Sottomayor, enólogo do Casa Ferreirinha Barca-Velha
Luís Sottomayor, enólogo e responsável máximo pelo Barca-Velha

O que podemos esperar na prova do Barca-Velha 2011?

A nota de prova do Barca-Velha 2011 indica-nos que o vinho se apresenta “com uma cor rubi profunda e um aroma muito complexo, com destaque para as especiarias como a pimenta, as notas balsâmicas, a cedro e caixa de tabaco, frutos vermelhos, como a ameixa madura, ardósia e uma madeira de grande qualidade, bem integrada. Na boca tem uma acidez vibrante, muito viva, taninos muito firmes, notas de especiarias, frutos pretos e sabores balsâmicos. O final é extremamente longo, de grande elegância e complexidade.”

Como foi o ano vitícola de 2011?

O ano de 2011 registou um inverno frio e muito chuvoso, o que contribuiu para a reposição das reservas de água no solo. Entre o final da primavera e o início do outono, o clima foi seco, registando-se duas importantes exceções, nos dias 21 de agosto e 1 de setembro, que totalizaram entre 35 e 40 mm de água em toda a região. O verão ameno e a disponibilidade de água no solo permitiram uma maturação das uvas muito equilibrada.

Quinta da Leda, origem do Barca Velha
Quinta da Leda no Douro Superior

Em que anos foi tomada a decisão de lançar Barca-Velha?

O Barca-Velha dispensa apresentações mas não deixa de surpreender a cada edição, que vê a luz do dia apenas em anos excepcionais.

Em quase 70 anos de existência, foram lançadas pouquíssimas edições: 1953, 1954, 1955, 1957, 1964, 1965, 1966, 1978, 1981, 1982, 1983, 1985, 1991, 1995, 1999, 2000, 2004, 2008 – e, mais recentemente, a edição de 2011, que acaba de chegar ao mercado.

O Casa Ferreirinha Barca-Velha 2011 resulta, à semelhança dos seus antecessores, da melhor combinação entre qualidade máxima e tempo, refletindo simultaneamente um dos melhores anos de sempre do Douro, segundo o enólogo Luís Sottomayor, que desde 2007 lidera a equipa de enologia da Casa Ferreirinha.

Onde nasce o Barca-Velha?

A emblemática Quinta da Leda é berço deste “leão, nobre e valente. Um vinho cheio de garra, que se doma a si próprio”, que “reflete na perfeição o terroir do Douro Superior e uma notável maturidade só ao alcance de alguns vinhos”, nas palavras do enólogo. Também do Casa Ferreirinha Reserva Especial, outro grande tinto do Douro, tão raro quanto ansiosamente aguardado, e lançado apenas em anos de eleição.

Quantas garrafas de Barca-Velha 2011 foram produzidas? 

Há apenas 33.000 garrafas disponíveis do novo Casa Ferreirinha Barca-Velha 2011. André Ribeirinho, CEO da Adegga, teve a oportunidade de provar esta preciosidade e partilha as suas impressões:

“Sedutor, intenso e com a classe dos grandes vinhos do mundo, o Barca-Velha é a expressão máxima do prazer que um vinho tinto pode dar. É por essa razão que ficou em primeiro lugar  na lista dos melhores vinhos portugueses para provar em 2021.

Para quem quer enriquecer a sua garrafeira, ou descobrir um vinho à altura das ocasiões mais especiais, esta é sem dúvida uma boa aposta, a par de outras referências da Casa Ferreirinha.

Para saber mais sobre a Casa Ferreirinha poderá ler a entrevista com o enólogo Luis Sottomayor.


Sim! Quero receber as novidades e promoções do Adegga.