5 Razões para Conhecer a Quinta dos Murças

Diversidade, verticalidade e elegância: o segredo da Quinta dos Murças

É conhecida por ter a primeira vinha ao alto plantada no Douro, em 1947, um terroir de uma riqueza e diversidade únicas, e afirma-se como referência incontornável na produção sustentável. José Luís Moreira da Silva fala-nos do projeto enológico que lidera nesta Quinta digna de postal.

Quinta dos Murças, Douro

Serpenteando ao longo de mais de 3 km na margem direita do Douro, entre a Régua e o Pinhão, a Quinta dos Murças beneficia de condições únicas para a produção de vinhos que denunciam a origem, ao mesmo tempo que exprimem a sua individualidade.

1. O potencial da verticalidade

A vinha

Desde logo a sua localização, na fronteira entre o Baixo e o Cima Corgo, a potenciar frescura, acidez e elegância nos vinhos, a sua orientação a Sul, a trazer às uvas grande concentração, em equilíbrio com a frescura natural da Quinta, a diversidade de terroirs (8 diferentes), ou os solos xistosos.

Mas há outro fator – talvez o mais determinante – a fazer da Quinta dos Murças uma propriedade única: a inclinação muito acentuada e altitude das vinhas (dos 110 aos 300 metros),  a servir de base  a vinhos distintos, ainda que a denunciar a origem comum.

Casa da primeira vinha ao alto plantada no Douro, em 1947, e referência no desenvolvimento e experimentação na região, a Quinta de Murças conta atualmente com cerca de 82% das vinhas plantadas na vertical, em grandes declives, que permitem uma maior densidade de plantação, uma produção mais equilibrada e um sistema radicular mais profundo, que se refletem numa melhor expressão do seu terroir. Este tipo de plantação permite ainda um melhor arejamento da planta, ajudando a prevenir algumas doenças como o míldio, e protegendo os solos de uma erosão mais rápida.

2. A vinha velha de 1947

José Luís Moreira da Silva, enólogo

A Quinta de Murças conta com 155 ha, dos quais 48h de vinha, povoada por castas autóctones – 14 castas diferentes só na vinha do VV47! Entre as preferidas contam-se Touriga Franca, Touriga Nacional, Tinto Cão, Tinta Roriz e Tinta Francisca, mas a filosofia de Murças assenta na origem, por isso privilegiam-se os vinhos de lote, em detrimento dos varietais, e busca-se mais do que a expressão de casta, a revelação plena e equilibrada da origem.

Para o resultado ideal contribui a Touriga Franca com estrutura, a Touriga Nacional com intensidade aromática, a Tinto Cão com acidez e frescura, a Tinta Roriz com algum tanino e a Tinta Francisca com a tão necessária elegância.

3. Produção Biológica, Biodiversidade e Tradição

Laranjeira

A Quinta dos Murças, no Douro, tem a certificação da totalidade da sua área em Produção Biológica. A partir da colheita de 2021, todos os vinhos Quinta dos Murças são certificados como biológicos. Para além dos 45,64ha de vinha, já estavam certificados 14,90ha de olival e 2,80ha de laranjal.

“Começámos o processo de conversão para biológico em Murças em 2011. Esta forma de produzir combina as melhores práticas agrícolas na procura de vinhos mais autênticos, com sentido de lugar, algo apenas possível em solos e ecossistemas vivos e biodiversos. Alguns dos vinhos mais prestigiados e valorizados do mundo seguem há décadas este modo de produção, sendo por isso testemunho dos benefícios qualitativos do modo de produção biológico.” salienta o enólogo José Luís Moreira da Silva.

Desde 2017 que a Quinta dos Murças está em modo de produção totalmente biológico, no respeito pela terra, os produtos e as pessoas. Na base desta atuação está a convicção de que só desta forma é  possível garantir o equilíbrio natural do ecossistema, produzir as melhores uvas, com maior sentido de lugar. 

Uma grande extensão de mata mediterrânica, oliveiras, laranjeiras e amendoeiras marcam o agroecossistema da Quinta, contribuindo para a sua resiliência e permitindo a intercomunicação entre as áreas de produção e as áreas de conservação, de forma a exponenciar o equilíbrio ecológico da Quinta como um todo. 

Na adega mantêm-se vivos processos de vinificação tradicionais do Douro, tais como a vinificação em lagares de granito, a pisa a pé e a fermentação com base em leveduras indígenas, dando corpo à ambição de afirmar Murças como símbolo e expressão de uma região.

4. Vinhos: Quinta dos Murças Minas e Quinta dos Murças Margem

No vasto portefólio disponibilizado pela Quinta dos Murças sobressaem o Quinta dos Murças Minas e o Quinta dos Murças Margem, dois vinhos de personalidade forte, que resultam de uma abordagem menos clássica à criação. Vinhos mais novos, com maior expressão da origem, mas nem por isso menos equilibrados.

Com origem nas vinhas que lhe dão nome, plantadas numa encosta entre os 110 e os 300 metros de altitude e com exposição a Sul, o Quinta dos Murças Minas revela também a influência das cinco minas de água existentes naquela vinha, que refrescam o ambiente e asseguram um equilíbrio entre uma maior maturação e a frescura tão característica de Murças.

Os lagares onde as uvas são pisadas a pé de forma tradicional

Com fermentação em lagares com leveduras indígenas e estágio em cubas de betão durante 8 meses, o Quinta dos Murças Minas apresenta-se exuberante na cor e no aroma, fresco e vivaz no paladar, revelando taninos firmes e maduros, uma acidez bem envolvida e um final longo e persistente, num equilíbrio entre a sua frescura e maturação.

O Quinta dos Murças Margem, por seu turno, nasce das vinhas mais próximas do rio, onde se encontram algumas das parcelas mais velhas da quinta. A sua baixa altitude e exposição solar maioritariamente a Sul, estas vinhas mais quentes e concentradas, tradicionalmente usadas na produção de Porto Vintage.

Fermentado em lagares com leveduras indígenas e com estágio em barricas de carvalho de 500 lts usadas, o Quinta dos Murças Margem conquista pela cor e aroma muito intensos, onde sobressaem notas de suaves de especiarias. No paladar apresenta volume, corpo e frescura, marcado por aromas de frutos maduros, oferecendo um grande potencial de longevidade.

5. Ficar na Quinta dos Murças

A Casa

Se os vinhos são embaixadores por excelência da Quinta dos Murças, a verdade é que a experiência só fica completa com uma visita à unidade de enoturismo.

Vale a pena ceder à tentação e aceitar o desafio de viver a quinta de forma autêntica e resguardada, usufruindo das excelentes condições de alojamento na casa recentemente renovada.

Com cinco cinco quartos divididos em duas áreas familiares, sala com varanda para o Douro, cozinha  jardim com piscina, a Quinta dos Murças oferece as condições ideais para um retiro em família num lugar isolado e com todo o conforto.

A completar a oferta contam-se provas de vinho exclusivas, trilhos, passeios, piqueniques, ou idas à horta, entre outros programas que servem a visão e a ambição de proporcionar uma vivência plena da Quinta, a descoberta da região, da sua diversidade, e dos produtos que nela nascem.

Vista da Varanda

Sim! Quero receber as novidades e promoções do Adegga.