5 Razões para Conhecer a Casa de Vilacetinho

Tradição secular virada do Avesso

Conversámos com João Miguel Maia, diretor geral da Casa de Vilacetinho, sobre o que sustenta a longevidade do projeto e faz dos seus vinhos símbolos maiores da região dos Vinhos Verdes.

João Miguel Maia, Vilacetinho
João Miguel Maia, diretor geral da Casa de Vilacetinho

Localizada na margem norte do rio Douro, na freguesia de Alpendurada, em Marco de Canaveses, a Casa de Vilacetinho é um dos mais antigos produtores na Região dos Vinhos Verdes, confundindo-se a sua história com a da própria região.

1. A escolha da Rainha de Inglaterra em 1957

A Casa

A origem da Casa de Vilacetinho remonta a 1790, com a compra e unificação de duas propriedades, em tempos pertencentes ao património fundiário do Mosteiro Beneditino de Alpendurada. Mas há outros episódios a marcar a história desta Casa secular, como o da visita de Isabel II, Rainha de Inglaterra, em 1957, a quem foi servido um vinho da Casa de Vilacetinho, escolhido pelos próprios ingleses entre vários lotes apresentados.

Pormenor da vinha

Se a história secular atesta a solidez do projeto, são as caraterísticas únicas que ajudam a afirmar a Casa de Vilacetinho e os seus vinhos como referências incontornáveis na região. São cerca de 30 hectares de vinha com solos graníticos, com exposição a sul e forte influência dos ventos atlânticos, bem como uma grande amplitude térmica e rica fauna envolvente, que potenciam o desenvolvimento de vinhos diferenciados.

2. Avesso: a estrela entre castas brancas

Casta Avesso, o ex-libris da Casa de Vilacetinho

São várias as castas utilizadas na produção dos vinhos da Casa de Vilacetinho – Alvarinho, Arinto e Loureiro, entre as brancas, e Azal, Vinhão, Touriga Nacional e Touriga Franca, nas tintas, mas a ‘estrela da companhia’ é assumidamente o Avesso, simultaneamente uma das mais emblemáticas e desafiantes castas da Região dos Vinhos Verdes.

É esta casta, cujo potencial a Casa de Vilacetinho trabalha há décadas para revelar, que define o perfil clássico dos seus vinhos: carácter forte, com textura e volume, mas com um perfil jovem e fresco.

3. Casa de Vilacetinho Avesso Reserva

Do portefólio da Casa de Vilacetinho, que integra referências que vão desde Vinhos Verdes DOC a Espumante produzido com o método clássico ou mesmo Colheita Tardia, destacam-se duas novidades de 2018.

O Casa de Vilacetinho Avesso Reserva, elaborado 100% a partir da casta Avesso (50% do lote por estágio em barricas em carvalho francês usadas). Apresenta-se em 2018 com um perfil que denota o equilíbrio pleno entre o trabalho de experimentação que esteve na sua base a fidelidade ao temperamento e à imprevisibilidade que definem a casta.

Vinho gastronómico por excelência, exibe notas de tosta (de madeira) e aromas cítricos, apresentando-se como aliado perfeito para pratos típicos portugueses como o bacalhau em azeite ou a carne assada.

4. Casa de Vilacetinho Avesso Superior

Já o Casa de Vilacetinho Avesso Superior, anfitrião-mor da Casa de Vilacetinho, revela na colheita de 2018 o volume e a estrutura já presente em colheitas anteriores, assim como a acidez característica da casta,  sem comprometer a cremosidade, que se impõe na boca.

Pela sua mineralidade, frescura e jovialidade, este é um branco marcante, ideal para apreciar por si só num dia quente de verão, sendo igualmente perfeito para harmonizar com peixes grelhados, saladas ou carnes brancas.

5. Desenhar o futuro reinventando o passado

Curiosidade, inquietude e experimentação marcam o ADN da Casa de Vilacetinho e continuarão definir as suas orientações futuras. Aos amantes de Vinho Verde e àqueles que ainda não conhecem a diversidade que esta região tem para oferecer, a Casa de Vilacetinho continuará a disponibilizar vinhos capazes de honrar a sua história, reinterpretando-a.

Vinhos cuja identidade se reconhece, mas que surpreendem pelo temperamento particular que a cada colheita revelam. Frescos, aromáticos e do Avesso!


Sim! Quero receber as novidades e promoções do Adegga.